LILIAN TOMITA




Artigos & Vídeos

  • O que é Psicoterapia?
  • Obesidade e Avaliação Psicológica na Cirurgia Bariátrica
  • Como anda a sua autoestima?
  • A ansiedade pode interferir nos seus negócios
  • A importância do autoconhecimento
  • Ansiedade
  • Depressão



  •  

    O QUE É PSICOTERAPIA?

    É um tratamento psicológico, através de um processo de autoconhecimento aprofundado, que tem a finalidade básica de ajudar o indivíduo a lidar melhor com suas questões emocionais mais conflitivas.

    Quando procurar a Psicoterapia?
    A psicoterapia é indicada quando se percebe que a pessoa está precisando de ajuda emocional, devido a uma crise interna ou situação de desadaptação intensa, que lhe causam angústia, ansiedade e sofrimento, o que prejudica seu desempenho social e ocupacional.

    Como é a Psicoterapia?
    Cada indivíduo é sempre único. Assim também, é único o caminho de cada um para a resolução de seus conflitos e para a busca do significado de suas experiências. O objetivo final da psicoterapia é um reajuste da atitude psicológica, adquirido com a ajuda do psicoterapeuta.

    Qual a duração do processo?
    Não existe tempo determinado, para a duração de uma psicoterapia. É possível atingir resultados significativos em períodos de três meses a um ano. Existem processos terapêuticos profundos que se encerram em prazos inferiores a três anos, e outros que demandam um trabalho terapêutico mais demorado, geralmente com uma problemática psicopatológica mais severa, envolvendo desorganização psicológica.
    Um processo psicoterapêutico terá duração determinada pelo grau de envolvimento do paciente com o tratamento. O que garante o sucesso da psicoterapia é a frequência do paciente (não faltando às sessões) e a continuidade (não interrompendo o processo).

    Como é o processo psicoterapêutico?
    O primeiro contato com o psicoterapeuta ocorrerá na entrevista inicial, com duração prevista de uma hora, no horário previamente agendado pelo paciente.Nesta entrevista o paciente deverá relatar a sua dificuldade ou queixa.
    O processo é desenvolvido a partir de sessões semanais. A duração média de cada sessão é de 50 minutos e a quantidade de sessões semanais variará de acordo com a gravidade do caso.

    Quando termina a psicoterapia?
    A psicoterapia termina quando os problemas com os quais o processo se iniciou forem resolvidos ou situados num contexto aceitável.Isso só pode ser avaliado pelo psicoterapeuta e discutido com o paciente. Mas o processo de evolução pessoal é uma tarefa para toda a vida.

    Voltar


     

    OBESIDADE E AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA NA CIRURGIA BARIÁTRICA

    A obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal no indivíduo. Para o diagnóstico em adultos, o parâmetro utilizado é o do índice de massa corporal (IMC). O padrão utilizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que identifica o peso normal quando o resultado do cálculo do IMC está entre 18,5 e 24,9, e para ser considerado obeso, o IMC deve estar acima de 30.

    Sabe-se que a obesidade aumenta a incidência de outras doenças prejudicando a qualidade de vida, aumentando a mortalidade da população obesa. E existe também as doenças associadas a obesidade, causadas por alterações metabólicas decorrentes do excesso de peso. Quanto maior for o seu IMC, maior a sua chance de ter, ou desenvolver, uma ou mais dessas doenças.

  • Diabetes
  • Hipertensão arterial
  • Depressão
  • Doenças cardiovasculares (incluindo doença arterial coronariana, infarto de miorcárdio, angina, insuficiência cardíaca congestiva, AVC, fibrilação atrial, cardiomiopatia dilatada) e outras.

  • Para os obesos mórbidos, a cirurgia bariátrica é um dos tratamento mais efetivo com perda de peso sustentada a longo prazo, diminuindo as comorbidades e melhorando a expectativa de vida.

    Quando um obeso mórbido procura ajuda para realizar a cirurgia bariátrica, com o objetivo de emagrecer, é possível que já tenha vivenciado uma serie de mudanças físicas e emocionais, sendo importante estar preparado psicologicamente para esta decisão.

    Geralmente, já passou anteriormente por diversas tentativas de redução de peso e emagrecimento, como dietas, regimes, medicamento específicos, atividades físicas, reeducação alimentar , entre outros, e não obteve o resultado esperado. Assim , a tomada de decisão para a cirurgia bariátrica pode estar cheia de expectativas, que precisam ser entendidas e compreendidas por um profissional especializado na área.

    A avaliação psicológica para cirurgia bariátrica visa identificar o quanto esta pessoa está preparada para o procedimento cirurgico e para todo o processo necessário pós cirurgia, pois a obesidade pode interferir na qualidade de vida quanto aos aspectos físicos, psíquico e social.

    Diversas questões emocionais podem estar envolvidas tanto na causa, como nas consequências da obesidade. Entre elas, a depressão, ansiedade, compulsão alimentar e outros fatores psíquicos, que possam interferir de maneira negativa no processo pós cirurgico.

    O trabalho do psicólogo é esclarecer sobre o processo da cirurgia, e orientar sobre as mudanças que acontecem no cotidiano do paciente. E realizará uma avaliação psicológica, para identificar o quanto você está preparado para as limitações e disciplinas impostas pela a cirurgia.

    Fonte: Guia para Pré e Pós Operatório de Cirurgia Bariatrica -
    www.guiabariatrica.com.br

    Voltar


     

    COMO ANDA A SUA AUTOESTIMA?

    A autoestima representa a forma como enxergamos e sentimos a respeito de nós mesmos e, quando positiva, garante segurança, equilíbrio emocional e autonomia pessoal, trazendo uma vivência mais feliz consigo e com as pessoas à nossa volta. Porém, quando negativa, pode trazer prejuízos à vida, não apenas em caráter pessoal, mas também profissional, gerando sentimentos de insegurança, baixa autoconfiança, inferioridade e tristeza.

    E como anda a sua autoestima? Você tem tomado atitudes benéficas a si mesma, está se respeitando como merece ou tem se sentido insatisfeita com a sua vida, sendo muito pessimista e autocrítica? Sua autoestima anda baixa, precisando ser resgatada para não interferir de maneira negativa na sua vida?

    Alguns sintomas de autoestima baixa são:

  • Sentimento de insegurança
  • Pouca autoconfiança
  • Excesso de autocrítica
  • Intolerância à frustração
  • Tendência a relacionamentos destrutivos
  • Dificuldade em aceitar elogios
  • Sentimento crônico de insatisfação
  • Sentimento de inferioridade
  • Necessidade de aprovação

  • Mas o que fazer para melhorar?

    Algumas mudanças de atitude podem ajudá-la a resgatar sua autoestima começando por exercitar o autoconhecimento, reconhecer seus defeitos e qualidades e aceitá-los como um conjunto de características que formam quem você é.

    Evite também a autocrítica exagerada, permitindo-se errar, desenvolvendo sua tolerância à frustração e procurando não se torturar ao falhar. Não fuja dos obstáculos e dificuldades, mesmo que você não alcance seu objetivo final: vivenciar as dificuldades irá te fortalecer e você ganhará experiência para os próximos desafios.

    Ouça suas próprias vontades, converse consigo mesma e descubra aquilo que te faz bem e o que quer, de verdade. Tente se tratar com o mesmo cuidado e carinho com os quais trata as outras pessoas na sua vida, afinal você merece! Evite relacionamento destrutivos que podem abalar ainda mais a sua autoconfiança e potencializar um possível sentimento de inferioridade.

    E, principalmente, sempre procure adotar a auto aceitação, que é uma postura positiva com relação a si própria, e também a autoconfiança, que é uma postura positiva com relação às próprias capacidades e desempenho.

    Por final, caso necessite de uma ajuda especializada, uma psicoterapia poderá ajudá-la no autoconhecimento, no resgate e fortalecimento da sua autoestima e melhora da saúde mental.

    Voltar


     

    A ANSIEDADE PODE INTERFERIR NOS SEUS NEGÓCIOS

    *Artigo publicado no Portal da Rede de Empreendedorismo de Salto

    A ansiedade é um sentimento normal diante de situações novas e desconhecidas, mas pode se tornar um transtorno psicológico interferindo na saúde física, pessoal e profissional.

    Abrir um negócio é lidar com incertezas, dúvidas, principalmente no início. Significa ter mais responsabilidades, trabalhar mais horas por dia, as vezes ter o acúmulo de funções, sem contar os cuidados com a casa, marido e filhos, e todas essas funções e responsabilidade podem gerar um quadro de grande preocupação e se tornar um transtorno de ansiedade.

    O quadro de ansiedade se caracteriza através de sentimentos de medo, apreensão e preocupação, sensação de que algo ruim vai acontecer, descontrole sobre os próprios pensamentos, preocupação exagerada em relação à realidade.Acompanhada de sensações e sintomas físicos como:

  • fadiga,
  • insônia,
  • falta de ar,
  • dores no peito e palpitações,
  • suores,
  • mãos úmidas,
  • tensão muscular,
  • dores no corpo,
  • dificuldades para relaxar.

    Se você vem apresentado algum desses sintomas e sentimentos com mais frequência no seu dia-a-dia, tente desacelerar um pouco o seu ritmo e procure ter uma rotina mais saudável.Organizando a sua vida pessoal e profissional vai ajudar bastante na busca de uma melhor qualidade de vida.

    Dicas para melhorar a sua ansiedade e qualidade de vida:
  • realize uma alimentação adequada,
  • durma pelo menos 8 horas por noite,
  • pratique atividade física (exemplo, a caminhada e a yoga ajudam bastante nos quadros de ansiedade),
  • aprenda a respirar corretamente,
  • tenha momento de descanso e lazer com os amigos e a família,
  • tenha um hobby saudável,

    E se, mesmo mudando a sua nova rotina, você ainda apresente dificuldades de realizar as suas tarefas no trabalho ou no do dia a dia, devido os sentimentos e sintomas de ansiedade, procure uma ajuda especializada. Um psicólogo ou psiquiatra poderá fazer a avaliação e indicar o melhor tratamento.

    Voltar


  •  

    A IMPORTÂNCIA DO AUTOCONHECIMENTO

    *Artigo publicado no Portal da Rede de Empreendedorismo de Salto

    “Sua visão se tornará clara apenas quando você puder olhar dentro de seu coração. Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro, desperta.”
    Carl Gustav Jung

    Quando falamos sobre autoconhecimento, a primeira pessoa que nos remete sobre este assunto, é o filósofo Sócrates com a sua frase “Homo, nosce te ipsum” — “Homem, conhece-te a ti mesmo”.

    Para ele, o autoconhecimento era a busca dos homens, em seu próprio interior, por respostas e entendimentos para várias questões sobre si mesmo e sobre a vida.

    E para a Psicologia, o que significa autoconhecimento? Existem várias definições e linha teóricas dentro da Psicologia, mas irei tentar explicar de uma forma simples, para que todas possam entender qual o seu significado.

    O autoconhecimento, segundo a Psicologia, significa o conhecimento do indivíduo sobre si mesmo. A prática de se conhecer melhor, contribui para que a pessoa tenha conhecimento e controle sobre suas emoções, independente de serem positivas ou negativas. O autoconhecimento pode evitar sentimentos de baixa autoestima, frustração, ansiedade, instabilidade emocional e outros, atuando como importante exercício de bem-estar e possibilitando resoluções conscientes acerca de vários problemas.

    Quando você se conheçe, você consegue se sentir mais segura para decidir o que você quer ser, e quem quer se tornar na vida pessoal ou profissional. Conhecendo quais são as suas habilidade e dificuldades, você amplia as opções de caminhos e respostas que você tem para conviver com as situações presentes na sua vida. E saber priorizar o que é mais importante do que não é. Assim, consegue ter uma vida com mais saúde e equilíbrio emocional.

    Pensando em como auxiliá-las no seu autoconhecimento, descrevi abaixo algumas perguntas que podem ajudá-las a refletir sobre a vida.

  • Qual o sentido da sua vida?
  • O que te faz feliz?
  • Quais são as as suas crenças, em quê você acredita?
  • Quais são as suas qualidades e capacidades?
  • Quais são os seus defeitos, medos, e limitações?
  • Quais são os seus comportamentos e ações?
  • O que mais te preocupa na vida?
  • O que tenho feito pela sua saúde?
  • Do que você pode me orgulhar até agora?
  • Qual a sua visão para o futuro?

    E após respondê-las, leia-as com bastante atenção e reflita sobre o que cada uma de vocês escreveram. É o primeiro passo para o autoconhecimento.

    Voltar


  •  

    ANSIEDADE

    A ansiedade pode ser um sentimento normal diante de situações novas e desconhecidas, um sintoma de um processo orgânico e, pode ainda, ser um transtorno psicopatológico.

    Consiste na combinação de sentimentos de medo, apreensão e preocupação, geralmente acompanhada de sensações físicas como palpitações, sudorese, dor no peito e/ou falta de ar.

    A ansiedade patológica pode interferir no desenvolvimento normal, com prejuízo na auto-estima, na socialização, na aquisição de conhecimentos e na memória, além de predispor a maior vulnerabilidade, com perda de defesas físicas e psíquicas. Paralisa o indivíduo e o faz agir de forma caótica, ocorrendo dificuldades para se adaptar a situações e ao ambiente.

    Ela não pode ser confundida com a ansiedade cotidiana, pois quase todos nós nos sentimos ansiosos e tensos em face de situações ameaçadoras ou estressantes, o que é absolutamente natural.

    Já um caso crônico, afeta seriamente a vida da pessoa e pode ser diagnosticado como transtorno de ansiedade. Os mais comuns são: transtorno de ansiedade generalizada, síndrome do pânico, transtorno obsessivo-compulsivo e etc.

    Alguns sintomas da ansiedade:

  • Fadiga;
  • Insônia;
  • Falta de ar ou sensação de sufoco;
  • Dores no peito e palpitações;
  • Suores, frio, mãos úmidas;
  • Boca seca;
  • Tensão muscular, dores no corpo;
  • Sensação de ter um "nó" na garganta;
  • Dificuldades para relaxar.

    Tratamento

    A psicoterapia é um importante aliado no tratamento da ansiedade. Exercícios e outras atividades físicas também são bons para aliviar o estresse.

    Voltar


  •  

    DEPRESSÃO

    Depressão é uma palavra muito utilizada para descrever nossos sentimentos. Todos se sentem "deprimidos" de vez em quando, ou de alto astral às vezes, e tais sentimentos são normais diante de mudanças e transformações que ocorrem ao longo da vida de todos os seres humanos.

    Já o transtorno depressivo é um distúrbio mental decorrente de um conflito interno e de uma alteração bioquímica. Pode ser desencadeado por vários fatores: psíquicos, orgânicos e sociais, e sua intensidade e durabilidade determinarão a gravidade da doença.

    Ela altera a maneira como a pessoa vê o mundo e sente a realidade, de como entende as coisas, manifesta as emoções, sente a disposição e o prazer com a vida. Ela afeta a forma como a pessoa se alimenta e dorme, como se sente em relação a si próprio e como pensa sobre as coisas. Seu quadro é variável, e de acordo com a personalidade de cada indivíduo.

    Da mesma forma, como cada um de nós reage diferente aos sentimentos, cada um terá uma maneira pessoal de manifestar sua depressão.

    Para se fazer o diagnóstico é importante procurar um profissional especializado para realizar uma avaliação correta do caso. Dentro da avaliação levam-se em conta diversos fatores como: sintomas psíquicos, fisiológicos, evidências comportamentais e outras características relacionadas à personalidade do indivíduo.

    Quando diagnosticado, o psicólogo poderá oferecer um tratamento psicoterapêutico que ajudará na resolução do problema, e em alguns casos será necessário o tratamento combinado entre psicoterapia e medicação.

    Voltar